13 may. 2013

Ascânio Lopes - Brasil


CENA DE UMA RUA AFASTADA
Para Martins de Almeida

A solteirona fechou as janelas com estrépito.
Uma mocinha da escola normal passou firme,
[ sem olhar.
Um senhor gordo disse que era uma pouca
[ vergonha
e que nossa polícia não vigiava os costumes.
Mas, indiferentes aos gritos dos carroceiros,
às pedradas dos garotos,
a lulu de D. Mariquinhas e o fox-terriê
[ (meio sangue) do sr. Fagundes
continuaram impudicos no meio da rua.



ESCENA DE UNA CALLE LEJANA
Para Martins de Almeida


La solterona cerró las ventanas con estrépito.
Una mocita de escuela normal pasó firme,
[ sin mirar.
Un señor gordo dijo que era una
[ desvergonzada
y que nuestra policía no vigilaba las costumbres.
Mas, indiferentes a los gritos de los carroceros,
las pedradas de los muchachos,
la lulú de Don Mariquinhas y el fox-terrier
[ (media sangre) del Sr. Fagundes
continuaron impúdicos en el medio de la calle.


Traducción: Alberto Acosta

1 comentario:

  1. Ah: havia esquecido q esse poema é do Ascânio de tanto que ele lembra Rosário Fusco.

    ResponderEliminar