8 nov. 2010

Alejandro Schmidt - Argentina

24 de marzo de 1976



Yo estaba en una pensión en Tablada al 40
yo dormía
yo me levanté a las 4 de la mañana
y encendí la radio
yo escuché: comunicado número tanto
y una música maravillosa
me quedé quieto
atento al orden de los comunicados
a esa voz de la patria.
A las 6 se fueron levantando los compañeros
yo me asomé al balcón
un colimba me miró desde la esquina
se veían tanques en el puente
yo miré para otro lado
al Mercado, a los camiones
yo no tuve miedo
yo no hice nada
ni entonces, ni después

yo no era nadie
yo vivía colado ahí
los muchachos trabajaban en el Mercado
yo leía a Gurdjieff
yo vendía la guía de Córdoba
en la Cañada
yo andaba pelado y descalzo

yo tenía un suegro militar
yo tenía 21 años
yo tenía un bolso y un cepillo

yo tenía todo el fracaso que llegó
yo tenía que ir hacia la nada
y allí fui.


(De: Videla - 2009)




24 de março de 1976



Eu estava em uma pensão em Tablada 40
e dormia
e me levantei às 4 da manhã
e liguei o rádio
e escutei: comunicado número tal
e uma música maravilhosa
fiquei quieto
atento à ordem dos comunicados
a essa voz da pátria.
Às 6 foram levantando os companheiros
e cheguei à varanda
e um milico me olhou da esquina
viam-se os tanques na ponte
eu olhei para outro lado
para o Mercado, para os caminhões
e não tive medo
e não fiz nada
nem então, nem depois

eu não era ninguém
eu vivia colado ali
os rapazes trabalhavam no Mercado
eu lia Gurdjieff
eu vendia o guia de Córdoba
na Cañada
eu andava nu e descalço

eu tinha um sogro militar
eu tinha 21 anos
eu tinha uma maleta e uma escova

eu tinha todo o fracasso que chegou
eu tinha que ir para o nada
e então fui.



Traducción: Ronaldo Cagiano

No hay comentarios:

Publicar un comentario